RESENHAS!





Não sou comum...
Não sou exatamente irreal
Não sou perfeitamente eu mesma
Sou erradamente alguém
Presa nessa selva de pedra.

A falsidade me irrita
O excesso de saber
De quem acha que sabe
Tira-me do serio
A receita pronta...
A vida dá tantas voltas...

Eu sigo somente meus próprios passos
Meu caminho não pode ter atalhos
Não sou fácil de conviver.
Não sou melhor, nem pior
Não sou tão pouco difícil
Tudo depende
A perspectiva da poesia.

Dane-se a opinião alheia...
Quem disse que tudo seria
Um mar de rosas
E que não aprenderíamos
A duras penas.

Aprender dói muito
Não sou da extrema nem da direita
Se eu amo, amo para valer, corpo e alma
Não sou da água, nem da terra
Meu signo é do ar
É assim vivo minha vida... A mente a voar.

Tantos sonhos perdidos
Pelas noites intermináveis...
Não faz mal que tudo pareça
Irremediavelmente igual...

Eu não sou o tipo de pessoa
Que acredita na realidade
Como a única forma de aprender
Eu a encaro e sou uma heroína.
Que troféu eu levo?

A mentira tem cara de Miss
Encanta mas desperta em nós
A dura verdade...
Que ela por mais bela que seja
Tem perna curta...

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.