Assim se fez uma pequena história, a nossa.




Eu fui procurar-te
Em outros olhares
Eu fui lá fora
Buscar a tua sombra
Eu quis fugir
Mas para onde?
Em mim você está
Em mim permanecerá

Ninguém é igual a ninguém
Nem eu sou parecida comigo
Quando me olho no espelho

Existe lá no mistério do meu reflexo
Uma moça que mal sabia
O que era ser mãe...
Ser mãe de primeira viagem

E um filho diferente
Terrivelmente distante
Quanto tempo faz isso?
Nem me lembro...

Mas eu fui caçar-te no mistério
Do seu autismo.
Havia alguém ali
Que de qualquer forma

Aprenderia a me amar...
Já que você não esquece nada
Não poderia ter esquecido
O tempo que habitou dentro de mim    

Eu sou o tipo de pessoa
Que não consigo esconder o que sinto
Cada dia de lágrimas e suor
E se valeu à pena?
Deus, cada momento.

Até o mais dolorido
Até a dúvida mais algoz
Mas eu não queria um remendo
Nem a cura do que você é!

Não, eu queria chegar aí
Bem dentro desse seu olhar
Abrir uma fresta pequena que fosse
E que ali você pudesse me enxergar

Mãe, pessoa, somente alguém que se importa.
Queria apenas que você não se sentisse só.
E em mim pudesse confiar...
Assim se fez uma pequena história, a nossa.

Sem ilusões, sem subjetivos,
Sem mentiras, nem promessas
Assim vamos seguindo nosso caminho
Um passo, dois passos...

E todo infinito a alcançar
Mas se nossos pés não puderem mais.
A poesia nos dará asas
E ela existe em mim, desde muito tempo
Para oferta-te por toda a vida e além dela!


Autora
Liê Ribeiro
Mãe de um rapaz autista.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!