A Unicidade do amor!




Às vezes sou eu
Às vezes é você.
Uma roda gigante
De sentires
Não sei rimar
Lógica com a inspiração

Eu me vejo cansada
De sentir
E pouco expressar
Mentira?

Quem pensa demais
Vive de menos
Que fala demais
Afogam-se nas próprias palavras

E eu que tenho a cabeça nas nuvens
A! Se não fosse a poesia
Dar-me asas
Teria me esborrachado no chão
Não é fácil enxergar

O mundo pela retina da poesia
Nada está no devido lugar
Nada é pequeno demais
Que não podemos dar importância

Mas a dor é do tamanho
Do grande oceano
A nos jogar de um lado para outro
Mas quando dizes
Que o poema revela tua alma

Acalenta tuas dores
E que te faz repensar
Um sentimento de esperança
Nasce em minha alma

Às vezes sou eu
Às vezes é você
Quem dera fosse todos
A amar-se como se nada fosse finito
A eternidade de um amor verdadeiro.

Autora
Liê Ribeiro
Paz e luz.

Comentários

  1. Música e poema em sincronia.
    Amor eterno.
    Pactos.
    Promessas.
    Revelações.
    Sem tempo, sem nexo, sem fim...

    ResponderExcluir
  2. Poeta, poesia... amor e o tempo consolidando as vidas....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.