Amar o Diferente!




Como domar
Minha alma errante?
Como esconder
Minha aparência frágil
A verdade quem descobriu
Onde mora?
Casa abandonada dentro de nós.

A mentira tem sabor doce...
No primeiro momento
Mas como ela machuca quando descoberta.
A verdade na primeira impressão
Choca, mas como ela alivia nossa consciência

Repara a verdade não está na palavra
Mas sim no olhar...
Como é difícil encontrá-la.

Gosto de encarar o medo
Prefiro morrer lutando
Do que parar e esperar a vida
Ela passa tão rápida, logo vira esquina
E adeus para quem fica.

Nosso destino colado
Pela eterna vontade de amor
O amor que supera os dias vazios
O amor que vence o tempo
E dá uma virada no destino

Quem nos condenou ao isolamento
Não entende que não somos inimigos
Só pensamos de forma diferente
E de diferença eu entendo bem...

Convivo todas as horas com ela
E ela faz parte do meu cotidiano.
E eu aprendi a amá-la sem preconceito
Mas aprender minha cara
É duro, é duro...

Autora
Liê Ribeiro
Mãe de um rapaz autista.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!