O tempo e a realidade!





Você disse que não sabe dividir
Momentos de preocupação
Ocupação
Eu sou tão útil...
Tão inútil para mim mesma

Você nem enxerga
Que estou sozinha, terrivelmente sozinha
Musica e solidão
Casa e o vazio
Mas eu caio em pé
Sem piedades vãs

Eu não sei se vou esperar
A realidade passar.
Eu não sei o que morrerá até lá
Na estação do destino
O trem da vida passa rápido

Alguém sozinho na estação ficará
Talvez ele espere
Por alguém especial que nunca chegará
Pobre menina sonhadora
Envelheceu na varanda do passado

E lá ficará, estatua de pedra...
Nenhum amigo verdadeiro
Nenhum mar para sonhar
Frio e neve...

Esperando pelo outono...
A primavera das flores
Que não mais colherá
Não há para quem entregar...

Vasta realidade sem piedade
Não adianta remediar o crepúsculo
A vida é assim mesmo
Eu que ainda não aprendi a vivê-la...
Na sua cruel ficção...

Autora
Emiliê/Liê


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.