Só o Calor do amor vence o frio do viver!


Do que tenho medo?
Nada pode lhe mascarar
Esse frio que chega
Joga-me na mais profunda solidão
Cadê o sol?
O mundo já está tão gelado

A chuva que encharca minha alma
Eu luto ou me entrego à lassidão?
A vida tendo que ser vivida
Completo meus afazeres

Que ingênua poetisa, a vida é mais.
Está longe do seu alcance...
Sobrevivente do dia...
Chá quente, corpo frio.

Mente insana, porque pensas tanto.
Nada mudará o tempo, nem as pessoas.
Um bom livro, um filme romântico.
E as horas vestidas de sombras

Fugir ou ficar?
Sonhar ou cair na realidade?
Vou confessar,
Se há alguma forma de crer,
Eu me agarrarei nessa probabilidade

Mesmo que eu congele,
Mesmo que eu me afogue
Nos pingos das minhas lágrimas
Não desistirei de te alcançar
Marujo de mares distantes

Soldado solitário 
Da sua própria guerra interior.
Venceremos...
Quem pensou que eu desistiria?
Enganou-se, morrerei lutando.

Até o ultimo minuto de nossa existência
Até o fechar da cortina...
Um dia conheceremos a verdadeira felicidade
Desprovidos de toda limitação humana
Haveremos de conhecê-la acredite!


Autora
Liê Ribeiro
Mãe do Gabriel/autista.
15/05/2012

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Atravessar a Ponte!