Eu não princípio
Nem termino
Eu!
Sou um nada
Recheada de tudo
Que se possa imaginar
Algumas frases veem
Alguns sentimentos vão
Pouca realidade
Almejo
Eu não caibo
Em lugar nenhum
A prisão
O meu pensar.
Onde há multidões
Prefiro a solidão
Onde há vozes
Prefiro o silencio
 
Não sou a favor do obvio
Nem sou do contra ao cotidiano
Mediano de todos.
Onde eu posso estar cá?
Em meio ao deserto
Sentindo sede
E morrendo de fome
Mas minha sede é de saber
Minha fome é de poesia
E se nada mais me restar no futuro
Nem a memória
Em algum lugar estarão
MEUS POEMAS...
Autora
Liê Ribeiro
Poetisa
16/03/2013

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Poema para Gabriel!

Poema FELIZ ANO NOVO, PARA MEU FILHO, GABRIEL, autista.